Ângelo Menezes Freire
Ângelo Menezes Freire
Endodontia Microscópica, Clínica e Cirúrgica
Fraturas, fissuras e fendas

Geralmente, quando um dente é indicado para a terapia endodôntica, ele encontra-se com a  estrutura coronária comprometida, ou por cárie, ou com restaurações anteriores extensas e comprometidas, ou coroa protéticas. Portanto, muitas vezes, existe a possibilidade de fratura corono-radicular proveniente da fragilidade que o remanescente dentário apresenta. Somando à tensão mastigatória existe a possibilidade de apertamento dental promovendo um trauma oclusal que pode conduzir a uma fissura mesmo em dentes vitais. Aparentemente o dente apresenta-se hígido, entretanto com presença de micro-trincas que geralmente passam desapercebidas pelo profissional.

Muitas vezes o profisional realiza um tratamento com todo o  rigor, achando que acertou nos procedimentos e com imagem radiográfica compatível com bom tratamento… após algum tempo, persiste ou surge lesão numa área que dantes não existia… entra em questão o diagnóstico preciso na detecção de micro-fissuras que acontecem com muita frequência sem serem notadas pelo profissional. O tratamento é executado e a micro-fissura passa desapercebida. Algum tempo depois do tratamento, este concluído, ou em fase medicamentosa,  aparecem ou persistem  os sinais e sintomas, principalmente com queixa de persistência de desconforto durante a mastigação.

A utilização do microscópio operatório durante o exame de diagnóstico, o preparo coronário com abertura da câmara pulpar e remoção de dentina comprometida  e desinfecção do assoalho e embocaduras, nos dá muita segurança devido à magnificação e iluminação que  ele proporciona, detectando irregularidades, defeitos anatômicos, fendas, fissuras e fraturas corono-radiculares… que a olho nu não seria possível visualizar. Outro fator que pode ajudar a elucidar estas entidades é a utilização de corantes, como por exemplo: azul de metileno 1% ou 2%, violeta de genciana, etc… associados ao uso prévio de brocas esféricas de baixa rotação usadas à seco, em que irá rastrear a linha de fissura.

É necessário um esclarecimento, já que o processo evolutivo com a introdução de novas tecnologias, nos faz utilizar cada vez mais estes recursos. Mas, por exemplo: a CBTC (tomografia computadorizada cone bean), muito embora tenha uma importância cada vez maior na endodontia, ainda não tem a capacidade de identificar com precisão uma fissura ou trinca  num elemento dental. Na sequência: micro-trinca < trinca < fissura, fenda < fratura (evolução acorde intensidade do processo). Por vezes identifica-se, com este recurso, uma fratura… contudo, muitas vezes a imagem apenas sugere. É preciso conhecer as limitações de qualquer equipamento, técnica, materiais, etc… No caso específico de dentes com suspeita de trinca, fenda ou fratura, a unidade muitas vezes é portadora de prótese acompanhada  de pino intra-radicular. A imagem, por enquanto, é comprometida pela imcompatibilidade devido à artefatos lançados pelo metal que limitam a sua precisão. Muitas imagens são verdadeiramente duvidosas… muitas vezes  apenas sugeri-se. A CBTC tem uma eficiência maior quando utilizado para detectar perdas de estrutura óssea, extensão da lesão para estruturas adjacentes, etc…

Inmagni
Referência em treinamento full time para endodontia.
Clique aqui
Ângelo Menezes Freire
Endodontia Microscópica, Clínica e Cirúrgica
Av. Garibaldi 1133
Centro Odonto-Médico Itamaraty - 10° Andar S/ 1004
Ondina - Salvador - Bahia - Brasil
55 71 3331-5455
2018. Ângelo Freire. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital